Momento simbólico homenageia educadoras que atuam com autoafirmação negra

0
32

A segundo edição do Café Cultural, nesta terça-feira (14), na sala de reuniões da Secretaria Municipal de Educação de Lauro de Freitas (Semed), foi marcada por valorização, reconhecimento profissional e reflexões referentes a importância de discussões sobre a cultura afrobrasileira em atividades pedagógicas. Em mais um momento simbólico de homenagem aos profissionais que atuam com a autoafirmação negra na rede municipal, o projeto destacou a atuação das educadoras Fátima Santana Santos, do Centro Educacional Djalma Ramos, do Bairro de Vida Nova, e Ladjane Alves Souza, da Escola Municipal Paulo Freire, no Itinga.
O Café Cultural é promovido pelo Departamento de Inclusão e Diversidade da Coordenação da Educação Básica da Semed. A primeira edição do evento ocorreu em março, destacando o trabalho da educadora Ana Accioly, da Escola Municipal Santa Júlia, situada no Bairro de Itinga. Segundo o coordenador do Departamento de Inclusão e Diversidade, Eriosvaldo Menezes, o projeto já tem uma programação pré-definida até o mês de novembro, sempre destacando profissionais da rede que atuam com o objetivo de colaborar com a formação de cidadãos aptos a construírem uma sociedade mais justa e mais igualitária.
Segundo Menezes, as homenageadas desta edição também tiveram seus trabalhos reconhecidos nacionalmente, por meio do Prêmio Nacional da Fundação Bradesco e da Universidade Federal do Pará. A proposta das educadoras inclui atividades que permitem os educandos conhecerem e vivenciarem aspectos da história e transformações da cultura afrobrasileira. Por exemplo, em uma de suas experiências, a professora Ladjane Alves orientou seus alunos em trabalho de pesquisa sobre a história de seu Domingos Balaieiro, também conhecido como ‘Zé Balaieiro’.
Como o nome indica, trata de um famoso artesão laurofreitense produtor de balaios – cestos confeccionados com palhas. Seu Zé Balaieiro é um elemento da memória local, pois por meio de sua história pessoal é possível conhecer as transformações da cidade, as relações raciais, entre outros aspectos importantes para que os educandos descubram especificidades da cultura afrobrasileira. Do mesmo modo, o trabalho da professora Fátima Santos com o sambista Riachão, é importante para despertar no educando um posicionamento crítico sobre as diferenças étnicas.

Jornalista Moabe Ferreira Costa
ASCOM Prefeitura de Lauro de Freitas

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here